sábado, 19 de maio de 2012

As Aventuras de Miguel e Samuel




Miguel e o seu amigo Samuel estavam a jogar futebol e apareceu um portal que os levou para muitos sítios diferentes. Viajaram por locais incríveis! Se quiseres saber por onde andaram estes dois amigos, lê esta história!
Autores: Afonso Cruz, Martim Nabais, Tomás Leal e Vicente Costa, 6.ºA


Era uma vez um menino chamado Miguel. Tinha 11 anos e era muito imaginativo.
Numa tarde de sábado, estava a jogar à bola com o seu amigo Samuel e, de repente, abriu-se, inesperadamente, um portal. Os dois rapazes ficaram muito assustados e foram-se esconder na “casinha de ferramentas” que lá havia. O Samuel espreitou pela janela e viu que não estava lá nada nem ninguém. Só o portal. Não sabiam onde ia dar. Podia ir dar a outra galáxia, ou se calhar, ao céu. Ninguém sabia onde ia dar. O Miguel saiu da casinha com passos lentos, suaves, cuidados. O seu amigo acompanhou-o com o mesmo ritmo. O Samuel, curioso, aproximou-se do portal e atirou uma pedra, mas esta voltou de novo ao Samuel, mas toda desenhada e com uma mensagem:
- Da próxima tem mais cuidado! Acertaste-me mesmo na cabeça!
Os dois amigos ficaram especados a olhar para aquele “fenómeno”. Decidiram saltar para lá e ver o que acontecia.
A viagem demorou alguns segundos e foi muito estranha. Viram relógios gigantes e monstros assustadores.
Quando deram por eles estavam em casa da família de desenhos animados mais conhecida do canal “FOX”, “Os Simpsons”. Estava lá toda a família: o Bart, a Lisa, a Marge e o Homer. O Bart e a Lisa estavam a ver desenhos animados, o Homer estava a pedir emprestado uma televisão ao seu vizinho Ned Flanders. A Marge estava a fazer o almoço e a Maggie estava a dormir a sesta.
Quando a Lisa viu o Miguel e o Samuel, entrou em pânico e o Bart disse:
- Boa! Amigos novos para fazer traquinices!
O Miguel explicou-lhes a situação e o Bart chamou os pais para apresentar os seus novos amigos. O Samuel disse que não tinham casa e a Marge acolheu-os. O Bart e a Lisa ficaram felicíssimos! (Afonso Cruz)
Passaram duas semanas desde que tinham entrado naquele estranho portal, na primeira semana “os simpsons” tinham apresentado o Miguel e o Samuel a toda a cidade e tinham ido a muitos parques de diversões, e na segunda semana foram visitar outros desenhos animados como a “Family Guy”, o “Cleveland Show” e o “American Dad”. Quando o Miguel e o Samuel foram dormir (eles dormiam no mesmo quarto) o Miguel disse:
- Pensava que viver em desenhos animados seria giro!
- Na primeira semana até foi engraçado, mas agora… - afirmou o Samuel.
- Para mim, já é amarelo a mais! – exclamou o Miguel.
- Se é! Quem me dera que aquele portal aparecesse outra vez.
No momento em que o Samuel pronunciou estas palavras, eles sentiram uma corrente de ar fresquinha. Quando tomaram o pequeno-almoço, sentiram outra vez uma corrente de ar, na rua sentiram várias correntes de ar vindas de diferentes direcções.
- Já começo a enervar-me com estas correntes de ar! – exclamou o Miguel.
- Aposto que deve ser um sinal! – afirmou Samuel.
Nesse instante abre-se outro portal, mas em vez de lá entrarem por vontade própria foram sugados!
Na viagem viram guerra e armas, monstros e paz.
Quando chegaram, viram que estavam armas do futuro, o Miguel como era muito sentimental disse:
- Nem quero ver os adversários!
O Samuel reconheceu logo onde estavam e foi falar com o comandante que se chamava Joseph, conhecido por “Jo”. Enquanto os dois conversavam e o Samuel explicava o que se passava, alguns soldados tentavam acalmar o Miguel que estava a chorar imenso. O Samuel meteu a mão no ombro do Miguel e disse-lhe:
- Estamos em guerra no “Resistence 3”.
O Miguel ficou parado durante breves minutos, calado, sossegado e perguntou:
- A… Aquele jogo onde… tu matavas… coisas do outro mundo…? Eram nojentos!
- Não eram coisas do outro mundo, foi um vírus que caiu numa sopa, um homem comeu a sopa e transformou-se numa dessas coisas que se chamam quimerianos! – protestou o Samuel.
- Que interessa!! Quero sair daqui! – exclamou o Miguel enquanto chorava de medo.
- Pronto, atiradores furtivos! – exclamou Joseph.
- Ainda bem, já estava à espera da guerra. – disse o Samuel.
- Pega numa arma magnum e anda lutar!
- Não, prefiro uma rossmore pois é mais potente!
- Ok! – afirmou Joseph. Para ficares mais protegido e atacares à distância leva uma wilfire.
- Humm… Atiradores furtivos, magnum, rossmore e wildfire… O que é isso?
- É uma longa história… - explicou Samuel. A wildfire é aquela arma gigante, é essa que tens de levar.
- Cuidado, eles estão por todo o lado. – disse Jo.
De repente apareceu um atirador furtivo à frente do Miguel.
- Sai daqui coisa feia! Cheiras mal!
 Assim o Miguel deu um tiro no atirador furtivo com a wildfire que é equivalente a quatro barrocas. O quimeriano morreu.
- Isto é mesmo potente! – disse Miguel, surpreendido.
Pois é… e se disparares com essa arma e carregares outra vez no mesmo botão, o míssil transforma-se em vários pequenos, que vão contra a terra e embatem com muita força.
O Miguel experimentou, quando os mísseis embatem no chão, criam um portal na terra.
- Vamos para aquele portal! - sugeriu Samuel.
Só se ouviam tiros e mais tiros, o Samuel protegia o Miguel, disparando contra os inimigos. Os dois rapazes saltaram para o portal e de repente todos os quimerianos, os estragos que eles fizeram e o vírus quimeriano foram sugados para o céu. Todas as pessoas mortas pelos quimerianos ressuscitaram e os ferimentos desapareceram. As casas reconstruíram-se e as árvores, as plantas, as flores e os animais apareceram. A terra ficara em paz.
Entretanto, os rapazes chegaram à Grécia Antiga, no Tempo de Zeus, Poseidin, Hares, Hades, Afrodite, Hércules, Hermes, Medusa, Cérbero, Hidra, Centauro e tantos outros.
Em Atentas, os rapazes conheceram Poseidon que os leva a uma visita turística por Atenas.
Samuel e Miguel ganharam a confiança de Poseidon e este leva-os a um jantar com todos os deuses. Entretanto, Hidra preparava-se para atacar Atenas, Ulisses acabara de vir da guerra de Tróia, os ciclopes viram o seu irmão morto por Ulisses e quiseram, imediatamente, vingar-se. Por isso, prepararam uma forte armada, no outro lado a Medusa e os “gorgons” já “rompiam” a fortaleza de Atenas.
Entretanto, no jantar dos deuses, receberam a notícia que Medusa tinha destruído a muralha do Sul, que Hidra estava a destruir o porto de Atenas e os ciclopes já estavam a batalhar contra as torres do Norte.
Os deuses ficaram muito preocupados e cada um vai para o seu porto, Zeus dá a espada do Olimpo (a mais potente de todas) ao Miguel, Hermes vai a alta velocidade informar as outras nações, Hares e o seu exército iam em direcção aos ciclopes e Poseidon ia por mar até Hidra. Passado um mês a luta continuava e parecia não ter fim, Miguel com a espada de Olimpo, bate no chão com tanta força que cria um portal no céu!
Não me perguntem por que é que o portal surgiu no céu, só sei que surgiu…
Eles foram sugados e viram o Universo enquanto estavam no portal, mesmo no portal, o Miguel perguntou:
- O que é que nós aprendemos com isto tudo?
- Humm… Nada! – respondeu Samuel.
- Fazer aventuras e não aprender é cá connosco! – concluiu o Miguel. (Tomás Leal)
O Samuel ficou a pensar no que o amigo respondeu. Aproveitando o espectacular cenário que se via, durante esta viagem, fez passar pela sua memória, como se fosse um filme, as várias peripécias, por que haviam passado, desde que se abriu o primeiro portal.
Refletiu e finalmente disse:
- Há algo de muito errado no que disseste, Miguel!
- Como assim? – questionou Miguel.
- Porque sempre ouvi dizer que a vida, toda ela, é um processo de aprendizagem e que tudo aquilo que fazemos, mal ou bem, ou tudo o que nos acontece (de bom e de mau) deve servir para aprendermos qualquer coisa. É assim que crescemos…
Samuel estava muito compenetrado no que dizia e as palavras saiam-lhe, como vindas do fundo da alma.
 Continuou:
- … e tornamo-nos pessoas melhores. Não há nada de errado em passarmos portais para outros mundos, se pudermos aprender alguma coisa ou viver boas experiências. Por exemplo, gostei de conhecer os Simpsons e a fantasia é como os sonhos, faz parte e sabe bem! Mas não gostei de passar pelo cenário de guerra do resistence, nem pela Grécia.
Miguel ouvia com atenção, de olhos arregalados e já nem se apercebia que atravessava, mais uma estrada galática, de um Portal.
Muito timidamente, perguntou:
- Então… mas as guerras também fazem parte da vida das pessoas, não é?
- É! Mas, felizmente, já não estamos na antiguidade, em que as crianças e jovens adolescentes também eram guerreiros. Por outro lado, também não vivemos em países, onde as guerras atingem os mais pequenos, mesmo que estes não façam parte dela. Por isso, Miguel, no nosso caso, temos o privilégio de poder deixar as preocupações de guerra, para os adultos e de escolher portais para fantasias que nos façam rir e sentir bem.
Nesta altura apercebem-se de que estão a atravessar uma matéria branca e fofa e aterraram num monte de feno. Olharam à volta e só viram um mar de cores. Ao longe ouviam-se sons de cavalos a relinchar e uma música muito ritmada e alegre. Aos narizes do Miguel e do Miguel chega um cheiro a bolos e pipocas.
- Mas onde raio é que estamos?! – perguntou o Samuel.
- Não faço ideia. Mas vejo umas criaturas pequenas e azuis, ali ao fundo. – disse o Miguel.
O que eles não viram eram umas casinhas cogumelo, cujas chaminés deitavam o fumo que trazia aquele cheio delicioso. Eram os smurfs! (Rodrigo)
O grande smurf que era uma espécie de líder foi cumprimentar os gigantes que eram o Samuel e o Miguel.
- Olá grandes criaturas esquisitas que não têm nome!
O Miguel disse:
- Nós somos humanos que viajamos por muitos portais e viemos parar aqui. Por favor, vocês têm alguma poção para ficarmos do vosso tamanho? – perguntou Samuel.
O grande smurf disse:
- Sim, tenho, vou só procurar.
O grande smurf encontrou e espalhou a poção desde o cabelo até à unha do pé.
Eles diminuíram de tamanho e já podiam falar de pequeno para pequeno.
O Samuel disse:
- Agora que já estamos pequenos, podemos falar! Vocês têm alguma comida para nós? É que isto de andar de portal em portal dá muita fome!
Os Smurfs trouxeram imensa comida para os dois amigos.
Quando acabaram, sentiram-se satisfeitos e foram dormir.
De manhã, acordaram e já estavam os smurfs também a acordar e a prepararem os seus pequenos-almoços.
O Samuel e o Miguel foram falar com o grande smurf sobre irem para casa porque já não viam a sua mãe e a família há quase dois meses.
O grande smurf foi arranjar uma poção de crescimento que os tornava novamente da altura que eles tinham e assim regressarem a casa.
Eles tiveram de passar de portal em portal até chegarem a casa. Mas algo correu mal…
Houve um portal de interferência que prejudicou a ida para casa e foram sugados por esse portal.
Caíram em cima da máquina do regresso ao futuro. E encontraram um cientista que inventou a máquina do futuro. Ele chamava-se Doc Heryson.
O Samuel e o Miguel encontraram o Doc e pediram-lhe ajuda para voltar para casa.
O Doc fez um portal e eles chegaram a outra dimensão mais perto de casa perto de casa, mas regressaram ao passado, 15 anos atrás. (Vicente)
Nesse Portal eles tinham 1 ano.
Tinham curiosidade em saber como era a vida deles nessa altura, então foram a casa do Miguel para ver o que se passava.
A mãe dele estava a cozinhar Tifalli e o pai estava a trabalhar num recurso de advocacia criminal. Ele trabalhava para um advogado chamado Mustache, chamava-se assim porque tinha um enorme bigode.
E o Miguel estava no carrinho de bebé a comer uma papa cerelac de bolacha maria.
Mas sem querer babou-se e sujou o chão. Coisas normais de bebés…
De seguida, foram a casa do Samuel para ver o que se passava.
A mãe estava a jogar playstation, o pai estava a passear o cão e o Samuel estava a brincar com o seu boneco Benjamim.
Depois foram ver o que se passava com o seu vizinho Samuel, ele era muito criativo, tinha 70 anos, mas tinha corpo e cabeça de um rapaz de 20.
Eles não conseguiram perceber o que ele estava a fazer, então o Miguel foi buscar a sua pá e cavou um buraco que ia dar a casa do vizinho Samuel.
Entraram silenciosamente e foram até à sala.
Parecia que o Samuel estava a criar algum portal ou algo assim parecido.
E quando se deu por terminada, foram apanhados pelo cão do Samuel.
Depois a única forma de fugirem era entrar no portal.
Assim foi e inesperadamente aquele portal levou-os para a rua da casa do Miguel!
Quando entrou em casa, o Miguel viu a sua família destroçada, a chorar, pensando que algo de muito mal lhe tivesse acontecido. Também estava a mãe do Samuel.
Assim que o viram abraçaram-no mas logo a seguir sentaram-se, todos, a conversar e chamaram os dois a atenção por aquilo que tinham feito e ficaram, um ano, de castigo sem jogar playstation e sem ver t.v.
Mas nem tudo foi mau… Sabem por quê?
Na casa do vizinho de Samuel havia um teletransportador. Então, o Miguel e os amigos, todos os dias, teletransportavam-se para o salão de jogos… Estes rapazes estão sempre a inventar! (Martim Nabais)

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Está muito engraçado e muito comico

    ResponderEliminar
  3. A história está muito gira e a minha parte favorita foi a dos "Simpsons"

    ResponderEliminar